#MercadoDigital

WebShoppers 36ª Edição by Ebit

Olá Amigos,
Acabamos de receber o relatório do WebShoppers 36 da Ebit que deve ser leitura obrigatória para todos nós. Seguem os pontos mais importantes na nossa opinião:
  • O e-commerce brasileiro faturou R$21 bilhões no primeiro semestre de 2017, alta de 7,5%;
  • 25,5 milhões de pessoas fizeram pelo menos uma compra no e-commerce no primeiro semestre de 2017, uma alta de 10,3% se comparado a 2016;
  • Vendas via dispositivos móveis crescem expressivos 35,9%, e já alcançam share de 24,6% de todas as vendas do mercado online;
  • Preços do e-commerce acumularam queda de 5,38% nos últimos 12 meses o que tem estimulado o aumento no número de pedidos, principalmente de produtos de maior valor agregado que impulsionaram a alta do tíquete médio;
  • Mudança no ranking das categorias mais vendidas em mobile como resultado do investimento e foco dessas empresas em melhorar a experiência do consumidor. Moda continuou em primeiro lugar, mas categorias como Beleza e Casa/Decoração ganharam relevância;
  • Usando como referência os EUA, onde os preços no e-commerce são em média 10% mais baratos que no offline, a FIPE calcula que o consumidor irá economizar R$12 Bi em 2017 ao pesquisar online e comprar na loja física. Um estímulo a mais para iniciativas omnichannel.
Outros detalhes abaixo:

  • O crescimento no e-commerce vem sendo puxado por famílias com renda mais elevada. A Classe C perdeu força na avaliação do último semestre;

  • O sudeste ainda representa grande parte das transações (62,8%), mas a região que mais cresceu foi a Centro-Oeste. Umas das hipóteses que pensamos para esse crescimento pode ser o estímulo do Agronegócio;

  • Como já observado nas edições anteriores o mercado definitivamente tem procurado reduzir a oferta de frete gratuito, concentrando apenas em categorias específicas.Isso, certamente, vem contribuindo para o aumento do abandono de carrinho. Na briga constante pelo aumento de market share no e-commerce brasileiro, oferecer frete grátis ou com valores abaixo dos concorrentes diretos tem se tornado fator decisivo para fechamento de vendas. As empresas do setor têm investido muito em sistemas de controle e gestão de frete com objetivo de se diferenciar da concorrência por meio de uma diminuição do custo logístico, que representa em média mais que 5% do faturamento para a maioria das lojas;

  • Quando olhamos para o share de pedidos e faturamento das categorias os grandes destaques ficaram com categorias menos tradicionais que passaram a aparecer com maior relevância (alimentos e acessórios esportivos) e smartphones, que superaram eletrodomésticos em faturamento e cresceram suas vendas bem acima da média, principalmente pela queda nos preços desse tipo de produto;

 

 
Acredito que esses já são alguns pontos que podemos olhar para o negócio e buscar melhorias para o aumento de vendas. Foco principal; entender o todo e trazer para a nossa realidade quais pontos são essenciais para mudança ou para evidenciar.
 

estamos aqui para o que precisar!

Deixe seus dados com a gente que entraremos em contato.

Ao me cadastrar concordo em receber novidades sobre e-commerce, varejo e eventos relacionados à Corebiz